Quanto aprendizado!

Não sabia que conseguia crescer tanto em tão pouco tempo. Quantos pré-conceitos estamos deixando pelo caminho e quanta vivencia estamos colocando na bagagem!

Vou ser sincera, antes de começar a mochilar, eu achava que era uma pessoa bem mais descolada, desapegada e sem tabus/vergonha do que realmente sou, ou era… to melhorando bastante (espero!). Só quando nos soltamos no mundão que caiu a ficha do “e agora”, bem no estilo “o que você queria fazer se ninguém pudesse te ver!” do Capital Inicial. Estou aprendendo a desconstruir aqueles pensamentos tóxicos enraizados que nos prendem e moldam. Isso leva tempo, mexe com ansiedade, mas as pequenas conquistas são inexplicáveis.

Aprendi que casa não necessariamente é um endereço fixo, apenas um lugar que você se sente à vontade, segura e acolhida. Cozinhar é a forma mais barata de se alimentar, além de ser um tempo de casal para trocar idéias e planos! Banho quente faz carinho na alma. Sentir saudade de amigos e família nos faz perceber como somos sortudos por termos essa base e porto seguro tao foda! Conhecer pessoas que não te conhecem, não sabem nada de você e saem do seu caminho para te ajudar, renova esperança na humanidade. Que minimalismo realmente é uma ótima forma de viver: menos é mais, ainda mais quando você que carrega a mochila. Foto nenhuma faz jus a beleza de ver o lugar com os próprios olhos! Passar 24 horas por dia, 7 dias por semana com o Pedro faz eu ter a certeza que estava super certa em dizer SIM para estar ao lado dele todos os dias em todas as loucuras!

Queria ter dado mais importância as aulas de geografia e história da época de escola porque realmente visitar os lugares que estudamos nos livros e estar neles fisicamente e sentir a energia é indescritível!

Então vá!

Se joga!

A vida é uma só e é errando que se aprende!

Beijo tchau!

Leave a Reply